Related Posts with Thumbnails
Mauá -São Paulo- Brasil -
Neste blog o irmão e/ou amigo internauta irá encontrar textos, testemunhos e informações relacionadas ao evangelho. As informações e textos transmitidos são analisados tendo como base de autoridade a palavra de Deus que é um guia infalível para conduzir os servos do SENHOR neste mundo de trevas morais e espirituais. Exortando para que sejamos o "sal da terra" e "luz do mundo".
Loading...

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Os tipos de crentes de antigamente e os atuais.


       Durante os aproximadamente 3 anos e meio de seu ministério o SENHOR Jesus Cristo reuniu em torno de si uma grande multidão de pessoas: algumas para ouvir uma palavra e seguir seus ensinos fielmente, outras interessadas nas bênçãos, enquanto outras procuravam ocasião para condená-lo (Mc 11.18).
       Nos nossos dias em nossas igrejas também têm atraído pessoas com diferentes motivações: algumas querem ouvir uma palavra para mudar suas vidas (Hb 4.12) e depois de terem suas vidas transformadas ajudam a proclamar o verdadeiro evangelho (Jo 4.28-30), outras estão interessadas nas bênçãos materiais (carro, casa, dinheiro $), afetivas e curas; e também ainda há as que conhecem as escrituras e não vivem, mas estão prontos a apontar erros e problemas nos outros.
       Devido às diferentes motivações podemos observar que há três tipos de crentes atualmente: os "bem suados", os abençoados e os que são uma bênção.
       Os crentes “bem suados” são aqueles que correm atrás das bênçãos, mas não querem o Deus da bênção. Vivem atrás de movimentos, de pregadores, cantores e sinais. Gostam de apontarem defeitos e problemas em outros irmãos, mas não olham para si próprios (Mt 7.3-5).
       Os crentes abençoados (Dt 28.2) são aqueles que vivem uma vida regrada conhecem as escrituras passam por provas e tribulações e louvam ao SENHOR mesmo assim(Jó 1.21), e a cada dia crescem na fé, na esperança e no amor. (1 Co 13.13)
       Os crentes que são uma bênção são aqueles além de serem abençoados é canal de bênção para suas famílias, trabalho, escola e igreja. São os exemplos dos fiéis (1 Tm 4.12), pessoas zelosas por obras excelentes e suas vidas são para servir ao SENHOR normalmente são humildes, pois sabem que toda glória e toda honra pertence ao SENHOR(Is 42.8).
       Não precisamos correr atrás das bênçãos, pois se andarmos nos caminhos do SENHOR elas nos alcançarão (Dt 28.2), não precisamos correr atrás dos sinais, pois na verdade os sinais seguiram os que crêem e não o contrário (Mc 16.17). Seremos abençoados se tememos e andarmos firmemente nos caminhos do SENHOR (Js 1.7-9;Sl 128) e seremos um canal de bênção para todos se compreendermos e vivermos os ensinamentos de Jesus (Mt 5-7).

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Porque não ao carpe diem?


       Algumas pessoas pensam que carpe diem seria apenas um perfume do boticário (risos), mas na verdade este produto propaga uma forma de viver a vida, que podemos entender melhor conhecendo o seu significado original.
       Carpe diem é uma expressão originária do latim que significa aproveite o dia ou colha o dia, segundo este modo de pensar devemos aproveitar ao máximo a vida buscando o prazer individual imediato (hedonismo).
       Muitos hoje estão vivendo segundo esta maneira de pensar, principalmente jovens que estão procurando "curtir" a vida, porém este tipo de conduta não é exclusiva dos nossos dias. Nos dias do apóstolo Paulo as pessoas viviam segundo este proceder também e diziam: "Comamos e bebamos que amanhã morreremos" (1 Co 15.32). Mas como nós como cristãos devemos proceder?
       O apóstolo Paulo combateu este tipo de filosofia ou modo de viver a vida (1 Co 15.33) ele disse: "Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens”, (1 Co 15.19). Paulo padeceu muito por pregar o evangelho a ponto de ser jogado as bestas em Éfeso. (1 Co 15.33) Se sua esperança estivesse somente nesta vida ele iria aproveitar a vida ou "curtir" a vida, mas a esperança do cristão é que ainda que morramos iremos ressuscitar (Jo 5.28-29, 1 Co 15.12-19), porém se estivermos vivos na segunda vinda de Jesus Cristo iremos ser arrebatados ainda vivos (1 Ts 4.17).
       Portanto, não façamos como muitos que não têm esperança vivendo o carpe diem (Fp 3.19), mas façamos como o apóstolo Paulo (Fp 3.17) prossigamos para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus (Fp 3.14). Sabendo que o melhor para nós ainda estar no porvir. (1 Co 2.9, Fp 3.20-21)

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Fazendo Missões. Parte 2

        Há um hino muito bonito que nos exorta a trabalhar para o SENHOR buscando salvar almas. O hino 16 da harpa
cristã
que diz:

1
Posso tendo as mãos vazias,
Com Jesus eu me encontrar?
Nada fiz, e vão-se os dias,
Que Lhe posso apresentar?

Coro
Posso tendo as mãos vazias,
Com Jesus, eu me encontrar?
Quantas almas poderia
Ao Senhor apresentar?

(...)

5
Despertemos, Já é dia; Trabalhemos, com fervor;
E levemos, com alegria, Muitas almas ao Senhor.

       Neste hino temos uma questão para nós: " Posso tendo as mãos vazias, Com Jesus eu me encontrar?" (Mt 28.19-20) e uma exortação: "Despertemos, Já é dia; Trabalhemos,com fervor; E levemos, com alegria, Muitas almas ao Senhor. " Na primeira parte discorremos brevemente de como ajudar os missionários e de suas dificuldades no campo, mas mesmo não sendo missionário em outros locais distante de nossas residências podemos trabalhar para o SENHOR ganhando almas para Cristo. Agora falaremos de outra forma de participar de missão além das formas vistas na primeira parte.
       Muitos irmãos querem ser missionários em terras distantes por amor as almas que estão perecendo, mas se esquecem que muitos também estão perecendo a nossa volta. Por isso podemos começar evangelizando nossos familiares, amigos, nossa vizinhança, amigos de escola, trabalho e etc.(At 20.20)
       Uma boa iniciativa para começarmos seria criar grupos de evangelismo em nossa igreja para visitar nossa vizinhança, escolas, hospitais, presídios e outros locais. Realizando este trabalho estaremos semeando (Mc 4.2-20) e o Espírito Santo trabalhará nestas vidas para que possam ver a luz evangelho.(Jo 16.8)
       Evangelizando estaremos colocando a nossa fé em prática, pois a fé sem obras é morta (Tg 2.26)cumprindo o ide (Mt 28.19-20) demonstrando amor ao nosso próximo( Mt 22.37). E certamente quando nos apresentarmos ao SENHOR não estaremos de mãos vazias! Portanto, " Despertemos, Já é dia; Trabalhemos, com fervor; E levemos, com alegria, Muitas almas ao Senhor".

sábado, 13 de setembro de 2008

Glorificando o SENHOR na provação


       Em tempos em que se prega um evangelho fácil de pro$peridade$ e da ausência de problemas, prega-se a rosa e não mostram os espinhos muitos irmãos não entendem a razão de passarem por provações, mas o Senhor Jesus nós alertou que passaríamos por provas (Jo 16.33) e o apóstolo Paulo nos exortou para que glorificássemos o SENHOR nas tribulações (Rm 5.3).
       Quando chegamos à igreja estamos com roupas, sandálias do Egito (mundo) não podemos pensar e viver da forma em que vivíamos quando éramos escravos, mas agora estamos verdadeiramente libertos temos que desfazer da velha criatura (Jo 8.36, 2 Co 5.17).
       Muitos não querem mudar com suas velhas práticas estão procurando igrejas onde possam permanecer do jeito que chegaram, mas o SENHOR quer que não conformemos com nós mesmos e venhamos mudar nosso modo de viver para agradá-lo (Rm 12.2).
       Novos convertidos não entendem o porquê aparentemente tinham uma "vida melhor" quando não estavam na igreja, pois faziam o que queriam eram "livres", mas na verdade eram escravos dos seus próprios desejos (2 Pe 2.19).
       Os Israelitas que ficaram com saudades do Egito, que murmuram e desobedeceram ficaram no deserto. Muitas vezes o SENHOR nos permite passar por desertos nestes momentos podemos sentir o SENHOR mais próximo, pois foi no deserto onde o povo de Deus viu os maiores milagres: maná caia do céu (Ex 16), eram guiados de dia com a coluna de nuvens e à noite com a coluna de fogo (Ex 13.21), viram o mar se abrir (Ex 14.21-30), porém foi no deserto também onde milhares morreram. (Nm 14.21-24)
       Portanto, quando estivermos no deserto (provação) não venhamos querer voltar para o Egito ou buscar algo que nos agrade,porém entristece o SENHOR, mas esperar com paciência no Senhor (Sl 40.1) mesmo que a situação seja adversa (Jó 1.19-21) e quando esperamos com paciência nos ganhamos experiência com o SENHOR e esta experiência nós ajudará a saber que no momento certo o SENHOR agira em nosso favor. Louvando o SENHOR na tribulação mantemos nossa esperança (Rm 15.13, Hb 11.1) enquanto caminhamos para nova Canãa celestial. (Rm 5.3-5 Hb 12.1-3)

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Fazendo Missões. Parte 1


       Há muitas pessoas que pensam erroneamente que para fazer missões seria somente ir para outros países ou outras regiões dentro de nosso país, mas podemos fazer missões de três maneiras: orando pelos missionários, contribuindo financeiramente e indo para o campo.
       Muitos estão na igreja e não sabem para qual obra foram chamados uns pensam que somente para o ensino, outros para o louvor, outros aconselhamento ..., mas TODOS foram verdadeiramente chamados para fazer discípulos (Mt 28.19-20), ou seja, ganhar almas e sábios são os que assim o fazem (Pv 11.30).
       Bem aventurados são os nossos irmãos missionários que podem ir diretamente ao campo, ainda que passem por dificuldades e privações (Sl 126.5-6). Quanto aos que não podem ir pessoalmente podem orar, pois a oração do justo pode muito em seus efeitos (Tg 5.16) para que nossos irmãos alcancem mais e mais pessoas para evangelho (Mt 24.14).
       Nossos abnegados irmãos missionários muitas vezes estão longe de suas famílias, em uma cultura estranha, além destes fatores adversos padecem pela falta de recursos e nesta situação a igreja pode também contribuir financeiramente para a manutenção da obra. (Rm 15:26, 2 Co 8:1–5, 11:9)

       Continua (...)

sábado, 6 de setembro de 2008

Deus corrige a quem ama

       Quando nascemos em uma família justa esta se preocupará desde o início em passar seus valores aos seus filhos (Dt 6.6-8, Pv 22.6) e quando erramos devemos sim levar as primeiras palmadas nas fraldas, pois estas serão de grande ajuda em nossa educação (Pv 29.15). Depois ao crescermos iremos agradecer a nossos pais pela boa educação que nos foi dada (Hb 12.11).
       Quando aceitamos ao SENHOR Jesus com nosso salvador ele vai tirando de nós tudo que o desagrada e a todos que chama por filho Ele corrige (Hb 12.6). Infelizmente, há pessoas que pensam estarem acima de tudo e já não obedecem a seus pastores e lideres se auto proclamam como “ungidos” e por isso usam indevidamente o texto de Sl 105.15 que diz: “Não toqueis os meus ungidos, e não maltrateis os meus profetas.” para não aceitarem serem criticados e muito menos disciplinados.
       Vejamos um exemplo de um servo de Deus verdadeiramente ungido e como o SENHOR procedeu.
       O rei Davi que foi ungido verdadeiramente três vezes (I Samuel 16.1,12-13, II Samuel 2.4 e II Samuel 5.1-5) um homem segundo o coração de Deus (I Samuel 13.14) o SENHOR que ama a justiça e não tolera a iniqüidade usou a Natã o profeta para o repreendê-lo pelo pecado com Bate-Seba (II Samuel 11.2-4). Davi sendo ungido três vezes não ficou isento de crítica quando estava em pecado. O SENHOR nos nossos dias NÃO MUDOU (Sl 90.2, Hb 13.8) e não deixará os seus ungidos ou "ungidos" sem a devida correção.
       O escritor aos hebreus relata: “E, na verdade, toda a correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela. (Hb 12.11).Portanto, quando formos corrigidos venhamos nós alegrar, pois que filho há que o pai não corrija, mas senão somos corrigidos não somos filhos(Hb 12.6).